Powered by Blogger.
RSS

A CIGANA por Danka Maia


Meu terceiro livro foi um mergulho delicioso na cultura cigana, e de lá construí Blanka Pankova, uma mulher que teve o destino marcado pelo seu sangue,onde uma história de amor começa pelo fim e por ela fiz este poema.

Opchá!
Dança Cigana!

                    O meu bailado
                    Me faz senhora
                    Meu piso é forte
                    É onde quero.
                    Trago na ginga
                    Os meus traçados,
                    Nos meus mistérios
                    Os sortilégios,
                    De uma mulher
                   Que sabe bem,
                   O que se quer.



Bate comigo gadjó,                                                       
      Bate comigo!                                  
                 Vem no compasso dos meus pés,                                                   
Que são fiéis                                  
As tradições                                                          
Onde os leões                                   
Viram fiéis.                                                          



                                        Roda comigo,
           Vem no meu ombro,
                                 Olha no meu olho,
           Que aqui que eu te domo.




Mostra tua força,                                    
                   Vibra teu laço,                                                                                 
E faz o que eu faço,                                    
     No gingado dos meus pés!                                                              
Baila comigo!                                      
    Abala os trovões,                                                                
Ignora os grilhões,                                     
Pisa comigo!                                                                 
Mostra teus dons!                                     




                 Sangue calon é diferente,
                 Mescla o ousado,
                 Não teme o incoerente,
                 Buli com a rosa,
                 Dança com sombra
                 Zomba do riso
                Tem cheiro de gente.


                                             Vem cá comigo, meu gadjó!                                      
Aproveita que a gira logo alcança .
                                E a tua linda se vai,
Sim, tu perderás está cigana.             

Envolve comigo,
Faz do teu segundo,
Teu mundo,
Porque quando
Se aquietar está batida,
Irá com ela meu coração.




Ai Não...

Se foi!

E Agora?

Espera.


 Que a tua alma,
Jaz na minha mão!







  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

5 comments:

Jana Bragança said...

Parece música, com movimento, carisma... Adorei!

Fanzine Episódio Cultural said...

Olá, meu nome é Carlos, sou poeta e editor do Fanzine Episódio Cultural. Gostaria de convidá-lo(a) para se tornar um membro do (Grupo Academia Machadense de Letras ). Você poderá publicar gratuitamente seus poemas, contos, crônicas, livros, música, textos sobre saúde, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo e no canto superior direito clique em (PARTICIPAR). Grande abraço!
https://www.facebook.com/groups/149884331847903/

danka maia said...

Obrigada Jana e Fanzine, já faço parte da Academia Machadense de letras, é uma honra tê-lo aqui.
Beijocas!

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Poesia ritmada em uma sensualidade exótica. A trilha complementou o meu encantamento .
Esta cultura fascina-me.
Bjs Dani.

Isa Lisboa said...

Danka, este poema é intenso e musical, mesmo se não tivesse o vídeo que o acompanha! Gostei muito!

Bjs

Isa Lisboa
=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Tubo de ensaio
=> Pense fora da caixa

Post a Comment

Publicações populares