Powered by Blogger.
RSS

O HOMEM

hoje
 eu sou homem
sou o homem
sou o seu homem
hoje
o homem saiu
o homem cresceu
o homem pariu
hoje
um homem recebe o afago
um homem torna-se edulo
um homem interna-se no amâgo
hoje
por que hoje?
logo hoje que o homem corre
foge, se distancia
forga a imagem do belo
do puro, do viril
e se perde, enquanto homem que não viu
o rio encher
o tempo esvaziar
o mundo se juntar
 a vela arder...
hoje
o homem intumesce
de orgulho
de delírio
de inação,
compaixão
por todos os homens
que brilham
à luz sedutora

de uma mulher.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

7 comments:

Dalia Hewia said...

Hoje é o dia do homem. Por que hoje se deveriam todos os dias ser do homem, daquele homem que sabe ser, que sabe ter e prender uma mulher, mesmo que por instantes infinitos?

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Que seríamos de nós sem este Homem que brilha a luz sedutora da mulher?

Hoje um homem torna-se edulo .Bom demais!

Parabéns! Linda homenagem.

Dulce Morais said...

Carlos,
Haverá mais bela forma de dizer a perfeição na imperfeição e a metade do todo que ilumina o Homem que hoje é homenageado?
Não encontrei...
Parabéns!

=> Crazy 40 Blog
=> Pense fora da caixa
=> Tubo de Ensaio
=> MeNiNoSeMJuIz®

Cris Campos said...

Loas aos homens de verdade, que sabem amar e seduzir, que sabem se dar e permitir, que sabem enfim o real valor de ser ao lado. Parabéns Carlos! Gr. Bj.!

claudia cavalcanti said...

Carlos Morais, como o hoje é o dia do homem e quase ninguém falou nada,achei muito oportuno. Perdoe a mim, mulher,por não ter dedicado palavras a estes maravilhosos homens que sempre rodearam a vida feminina. E, em especial a Este homem que mora em teus dizeres e que se derrama tão lindamente diante de si e de nós mulheres. Te dedico aquela música do Vinícius:"... ah se no mundo todos fôssem iguais a você...". Só para não dizer que não falei de flores. Sinta-se abraçado,bj

nina sayeg said...

Carlos,a leitura dos recursos estilísticos,estes importantes para a ex-pressão de um texto arrandado da alma.Primeios 3 versos,o uso da primeira pessoa,do pronome reto "eu",a afirmamçao peremptória que o ser,como um todo,necessita para iniciar o seu auto-conhecimento.A elipse no segundo verso do pronome é bastante interessante,generaliza sou homem,o homem adâmico,o homem de todas as evas.A gênesis,o início.Sou seu homem,o pronome demonstrativo volta a particularizar,não é mais o homem adâmico,mas o meu,o de cada uma de nós,mulheres.A estrofe pula e um verso,hoje...o advérbio de tempo sozinho sinaliza que a posse é passageira,porque o momento é fulgaz.A aliteração O homem não nos deixa tempo para respirar,porque o ritmo cadenciado clarifica a agonia do crescimento, os versos 6 e 8 apresentam uma rima pobre,partes de dois verbos e exterioriza as andanças do homem,geral e do homem demtro da sua humanidade particular.As particulas apassivadoras mostram o estado de entrega ,após receber( a única forma verbal sem apassivação ,mas com a sinonímia de passivo,pois recebe)um afago,há um cruzamento ,volta a aliteração,um recurso estilíostico ,onde podemos ler ,a partir dos primeiros léxicos em qq ordem,neste caso a ordem dos fatores realmente não altera o produto.Um homem...o afago...excelente forma de conduzir a estrutura do poema e balizar o prédio,nos primeiros andares.O leitor quer mais do eu /homem e do Homem.enquanto homem que não viu...outra boa sacada estilística,a utilização do enquanto,uma forma passageira do ser não viu,não percebeu,enxergou ,mas não viu,não percebeu fases trawnsitórias que o mundo do homem adâmico construiu/descontruiu.O mundo s juntar e um pequeno detalhe, a vela arder,a vida pulsar,expulsar a luz em dias de escuridão,nossa escuridão,a escuridão do homem particular que não percebeu a vida em suas nuances.os últimos versos surgem com novas aliterações ,a preposição de orgulho,de delíro(o colisão de delírio anuncia o próprio delírio,a insanidade do homem particular,longe do Homem Adâmico,de seus pequenos /grandes conflitos,observamos o verso com uma virgu~lação e esta vírgula é uma pequena cerca,onde paramos,de compaixão,pelos que brilham à luz sedutora(a volta da luz,não forte,de uma vela arder morna)da mulher.Recursos belamente manuseados,especulados.O homem e sua luta enquanto viril, as sempre cobranças da sociedade,e o homem corre e preenche os formuláros da sociedade,de uma sociedade ,onde o falo se entumesce,a cópula mental e a eterna preliminar da cópula carnal,pena,pena do homem,compaixão pelos que sabem presas delioadamente atados ao fio de prata umbilical de uma mulher.Um poema poético,trabalhado,construído passo a passo,com compasso,como diria Fereira Goulart,com as ferramentas,a pá,o cimento e a caneta a geometria das palavras transforma o homem em um poeta...muito maduro,a cada dia,perpasso por seu universo e percebo,como uma espectadora,a maturidade da ex-pressão e im-pressão da formação de um trabalhador braçal com as palavras.

Isa Lisboa said...

Carlos, gostei de ler o poema não apenas por ter sido dia do Homem, mas porque os homens merecem uma homenagem, especialmente aqueles que sabem viver plenamente e que vêm a Mulher como sua metade!

Um abraço

Isa Lisboa
=> Instantâneos a preto e branco
=> Os dias em que olho o Mundo
=> Tubo de ensaio
=> Pense fora da caixa

Post a Comment

Publicações populares