Powered by Blogger.
RSS

A amizade verdadeira sempre será blue...

O amigo é a resposta aos teus desejos. Mas não o procures para matar o tempo! 
Procura-o sempre para as horas vivas. 
Porque ele deve preencher a tua necessidade, mas não o teu vazio.
(Khalil Gibran)





A mulher que o espelho revela acaba por esconder a menina que ainda existe em mim. Apesar do ofício imposto pelos anos, em determinados momentos me descubro assim quase meio inteira, completamente e displicentemente menina. O aflorar da alma não acontece por acaso, ele revela-se quando outras almas floridas nos cercam. Todos os ardis da vida parecem se dissipar em suas contingências, e nessas as surpresas agradáveis ternamente nos embalam como bebês de colo. Passamos a sorrir de qualquer babaquice, chorar por qualquer merda, tropeçar em qualquer pedrinha, e claro nos instantes mais simples do existir sentimos uma completude inexplicável. 

Tenho muitos sentimentos dentro de mim, emoções completas, outras capengas, e tantas outras que nunca entendi. Sinto falta de coisas que desentendo, saudade de mãos que nunca segurei, e mergulho tão fundo no amor que sempre procuro alguém que embarque comigo nessa aventura que é viver. Preciso seguir acreditando na essência, nos corações que batem, no brilho de um olhar, no abraço apertado, no cheiro no cangote, no riso desembestado, nas palavras desarmadas, nas pessoas de verdade. 

No desenrolar dos dias, as pétalas vão caindo, e mesmo despetalada o perfume ainda existe, não são todos que conseguem sentir, às vezes nem eu mesma acredito que ele está no ar, daí outras pessoas que preservam dentro de si corações repletos de amor, conseguem manter seus olfatos tão puros que sentem perfumes onde apenas cinzas já pensava existir.

Certas pessoas aparecem como pipas empinadas no céu que seguem o fluxo do vento, vagueiam livremente no imenso azul pincelado de brancas nuvens, dançam, encantam mas mantém o fio que conecta a existência, sem perder o controle. São como brisas que refrescam debaixo de um sol escaldante. Trazem alegrias gostosas para o coração como comer sobremesa antes da refeição, devorar um pote de sorvete assistindo um filme romântico. Parecem aquelas respostas que surgem quando a gente menos espera, daí a ficha cai e você entende aqueles porquês de uma figa que há muito te perturbavam.


A vida passa às vezes como um tufão derrubando tudo, mas em certos momentos ela nos atravessa assim como uma gostosa viração, deixando em nós um gostinho de quero mais, de água na boca. Tem desses encontros que a vida nos dá que parecem como breves suspiros, não obstante os guardamos na nossa caixinha cor-de-rosa de lembranças de onde jamais sairão pois foram ali colocados de tal forma que nada poderá apagá-los. São abraços que a gente dá tão forte como se quiséssemos que eles nunca se desvencilhassem de nós, mas os ventos da vida acabam por desfazê-los na matéria, mantendo-os somente na mente e coração.

Há pessoas que passam, há aquelas que nunca passarão. Ouvem nossos bafos desabafos, tolos tormentos, dúvidas ridículas, devaneios existenciais, leem atentamente nossas mal traçadas linhas, tortas, vagas e desconexas e mesmo assim nos entendem, mais que isso, elogiam, enxergam beleza com um coração aberto, pois para os corações sublimes todo feio é bonito.  Essas divinas criações do Criador nos ensinam que mesmo quando o jogo parece ter terminado, há  algo de novo e atraente no meio do caminho que fará tudo florescer novamente, nos mostram carinhosamente que os jardins sofrem estações, e tudo é um ciclo, e que vale a pena continuar, vale tudo existir, que a gente não precisa duvidar, mas acima de tudo acreditar.


Cris Campos

p.s.: esse texto é uma (re)postagem em homenagem a gente verdadeira que, graças a Deus, ainda existe e cruza docemente meu caminho. 

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

4 comments:

ricardo alves / são paulo,brasil said...

difícil falar sobre a magnitude de um post deste!
te considero pra caraca te acho uma criadora de belezas escritas sem igual cris!
que intensidade que ser humano!

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Cris, essa crônica nos convida a embarcar numa experiência do olhar, do pensamento , do sentir.

" Alguém só se torna marceneiro tornando-se sensível aos signos da madeira e médico tornando-se sensível aos signos da doença..."
Giles Deleuve

Obrigada pela partilha desta obra de arte. Parabéns!

Dulce Morais said...

Cris,
A tua crônica quase me deixa sem palavras...
É bela, sentida, profunda e extremamente intensa.
Há ainda esperança na Humanidade. Há ainda brilho nos olhares. Há ainda sinceridade nos gestos.
E pode haver todo o oposto! O importante não é o que há. É o que escolhemos ver...
Então, vamos continuar a "vaguear livremente no imenso azul pincelado de brancas nuvens, dançar" ao ritmo da sinceridade...
Parabéns pelo teu talento de escrita, Cris!
Gr. Bjo!!!

eder ribeiro said...

Tem uma frase que uso sempre qdo encontro uma pessoa de valor: "o caminho pouco importa, mas os amigos conquistados na caminhada, pois, esses, valorizam a estrada". Bjos, amiga valiosa.

Post a Comment

Publicações populares