Powered by Blogger.
RSS

ESPAÇO


ESPAÇO

Agora que me arrumei e me ajeitei
em um novo Espaço,
que nesse ínterim, tantas coisas
livrei de mim,
e nesse todo desapego,
construí o melhor do meu aconchego,
para enfim não ter mais nenhum sôfrego.

Mas agora nesse Espaço,
além do que de material me livrei,
também do Imaterial me desapeguei.

Agora sou mais Realista,
agora sou mais cético,
não acredito mais em Utopia,
não acredito mais em Teoria,
não verdade quero distancia
daquilo que pode se tornar agonia.

Não quero mais pra mim
as trocas que consegui,
no meu Espaço Solitário,
viverei menos temerário,
não quero nada arbitrário,
farei do meu Espaço
meu Santuário,
vou alimenta – lo
com muita Erudição,
chega de provocação.

Não não sou uma Ilha,
ninguém é,
como bem disse Jonh Donne,
mas não quero mais me machucar,
nem a ninguém machucar,
já chega aquela Salgada Lagrima
de todo Santo dia,
que faz com que a ferida no coração,
não tenha cicatrização.

O Espaço é novo,
é um Espaço só meu,
quem sabe agora nele eu me cure,
mas que enfim eu não me descuide.

Marco Aurelio Tisi

( 15/09/2013 )

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

2 comments:

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...


Que o universo conspire a seu favor sempre!
Bjs no seu coração.

Dulce Morais said...

Marco,
O espaço pertence-nos, como nos pertence a decisão do que nele colocamos e do que dele fazemos...
Gostei muito deste poema em forma de "ponto de situação".
Abraço!

Post a Comment

Publicações populares