Powered by Blogger.
RSS

A cicatriz marca o lugar

Do Amor
Só guardo cicatrizes
De cortes até à veia,
Algumas poucas.
Superficiais, outras.
Nem cheguei a sentir, não muito. Só uma picada,
Como se fossem anestesia
Para o que viria depois.
Cortes feitos sem pressa,
Estes que olho agora.
Quase com arte, diria.
Sei que foi Amor,
Porque senti a faca
A entranhar-se na pele,
E eu deixei.
Sei que foi Amor
Porque a minha carne
Logo se fechou;
Como se a lâmina
Tivesse também ela bálsamo.
E tinha.
Não era veneno,
Porque eu ainda estou viva,
E a ferida fechou.
A cicatriz marca o lugar.
Crava de novo o meu corpo,
Amor,
Ainda que me firas de novo,
A minha pele sara,
Com teu balsâmico veneno…



Isa Lisboa

Foto: Vadim Stein



  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

3 comments:

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Ainda que me firas de novo, A minha pele sara, Com teu balsâmico veneno…
Eta versos fortes ... Instigante e ao mesmo tempo debochado .

Bjs.

Isa Lisboa said...

:) Que bom que gostou, Clau!

Kizy Lee said...

Versos encantadores, demostrando a força que carregas em seu coração, parabéns

Com carinho

Post a Comment

Publicações populares