Powered by Blogger.
RSS

As cartas escrevem-se pelas paredes, 2

>> clique aqui para ler a primeira parte do conto…

gato branco, lunnaguedes

Rodolpho,

Não sei o que dizer, li várias vezes as linhas que compunham o e-mail que me enviou na última sexta e, sinceramente – fui da euforia ao desânimo em poucos segundos. Custei em acreditar. Custei também em lembrar-me do tal livro. Não sou uma leitora voraz. Leio apenas textos curtos – porque meu tempo é essa coisa estreita. Leio a caminho de casa. As notícias do dia. Os assuntos comuns – mas nunca levo livros comigo. Tenho alguns aqui em casa. Dois ou três…
Quero dizer-te que nunca havia recebido um e-mail assim como o seu…
Os que chegam à minha caixa de entrada são sempre pequenos. Nada dizem do humano que o escreveu, quando muito me apontam direções e possibilidades. Minha profissão exige pressa e os argumentos, quase sempre, são específicos e devidamente pontuados…
Você me falou de sua correspondência. Envelopes. Falou de si mesmo como se eu fosse uma pessoa próxima a quem se confidencia uma vida inteira sem esperar outra coisa que não o silêncio de um ouvinte atento. Não sei se fico feliz por você – ou triste por mim. 
Você fez o que não faço a tempos porque sou uma pessoa sozinha que alimenta o gato do vizinho que escolheu viver em minha janela e, deixo para ele uma tigela de leite – sempre que saio de casa – desde que dei por seu miado incauto.
No mais, não tenho o que falar sobre mim. Sou uma pessoa simples. Sem graça. Que vai de casa ao trabalho e, do trabalho para a casa – todos os dias. Só sei o trajeto que faço nessa cidade e, sou sincera em dizer-te que se errar o caminho me perderei por aí…
Eu conheço poucas pessoas, o dono do gato com quem encontro no elevador e, sei dele apenas por causa do felino. As pessoas com quem trabalho e, nada mais.  Uma vez eu senti vontade de me apresentar a uma jovem que dividia o elevador comigo, mas não o fiz. Eu seria apenas a maluca do último andar e, nada mais – então me encolhi. Ela saltou no sexto andar e eu continuei até o fim...

Enfim, quanto ao livro, confesso a você que deve ter sido algum engano porque não é possível eu ter esquecido um livro em algum lugar. Você nem mesmo disse onde o encontrou.


Julia

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

2 comments:

Dulce Morais said...

Lunna,

Agora fiquei super curiosa de saber de onde vem o livro e como foi possível que houvesse nele um endereço email da pessoa, segundo parece errada! Ou será mesmo a pessoa certa :)
Impaciente de ler o próximo capítulo!
Gostei muito!
Abraços

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Lunna, peço por favor que não se demore com a continuação. Acho que o universo conspirará para o encontro desse dois.
Em relação ao livro acho que pertence a alguém do ambiente de trabalho.
Bjs

Post a Comment

Publicações populares