Powered by Blogger.
RSS

As cartas se escrevem pelas paredes, 3

Tecendo missivas...

 

Cara Júlia

Fiquei intrigado quanto ao livro. Fiquei ainda mais intrigado quanto a você... Pensei, devo dizer, em muitas possibilidades – mas não quero aqui me debruçar em inúmeras linhas dando uma possibilidade comum a esse "encontro" porque é isso que considero.
Então voltei ao livro para uma nova leitura, por isso a minha demora em lhe escrever. A leitura foi completamente diferente porque sabendo-te um pouco mais, teve outro sabor.
Não voltei a recordar a juventude, nem mesmo aquela jovem com quem me correspondi... Mas me fez pensar em você e na sua juventude. Como será? – pensei –, que a jovem Julia transformou-se nessa mulher que cuida do gato do vizinho oferecendo a ele uma tigela de leite? Sou curioso e, gosto de imaginar o outro que passa por mim quando caminho pelas calçadas da cidade. Já fui da Zona norte a Zona sul caminhando apenas pelo prazer de perceber as construções humanas e desumanas. Vou tragando absolutamente tudo, sabe? Como se fosse um cigarro. Não. Eu não fumo, mas gosto do movimento dos dedos junto a boca e, mais ainda do movimento da boca para dentro, tragando a fumaça num "só gole"... Deve ser por isso que adoro taças de vinho, mas não bebo uma só gota. Tenho medo que de repente comece a me embebedar. Sou bastante inseguro, como pode perceber.
Sim, o livro que me levou ao seu encontro. Estou intrigado - repito-me...
Eu o encontrei no banco do metrô quando seguia destino a Vila Madalena. A jovem de cabelos longos ao meu lado levantou-se com pressa. Nem mesmo pediu licença para passar entre o mínimo espaço entre o banco e minhas pernas. Me senti insultado, mas não é novidade que os jovens de hoje sejam apressados com suas tarefas modernas... Então voltei a pensar na melodia de Brahma que tanto adoro. A jovem desceu na Estação Brigadeiro – deixando cair, acredito eu, o livro de sua bolsa de couro. Agora me lembro do movimento por inteiro. O livro ficou junto ao banco em estado de abandono e só dei por ele quando alguém foi se sentar no lugar "vago" e pediu, gentilmente, para que eu removesse o meu livro do assento. Não tive tempo de dizer que não me pertencia. Apenas o detive em minhas mãos e o trouxe comigo. Fui atraído imediatamente pelo desenho de talheres na capa e, por aquele título "as lembranças"...
Assim como você minha cara - vivo sozinho nessa casa com seus muitos cômodos nesse velho bairro paulistano. Gosto das ruas retas que me pedem passos e do canto do pássaro que chega aos meus ouvidos no meio da madrugada. Às vezes caminho ao redor da praça em passos largos, com o cachimbo na boca – gosto do objeto, mas não o uso para outro fim que não seja composição de minha figura humana. Gosto que me vejam como ele na boca... Caminho enquanto revejo a mim mesmo e meus equívocos e, agora, ao caminhar, imagino seus passos e já começo – confesso –, a imaginá-la. Ainda há pouco tracei seus contornos suaves. Pele branca. Cabelos negros e olhos castanhos. Você preferiria que os cabelos fossem vermelhos, mas nas vezes que foi ao cabeleireiro nunca pediu tintura, apenas o mesmo corte reto de sempre. É apenas um desejo torto que lhe aparece vez ou outra.
Agora estou eu aqui com uma dúvida estranha. Se o livro, de fato não lhe pertence, o que faço eu com ele?

Abraços
Rodolpho

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

5 comments:

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Luna, cada vez gosto mas desse conto. Torcendo muito para o encontro desses dois.
Bjs.

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

*mais

Dulce Morais said...

Duas personagens que se adivinham, que se descobrem, que se procuram...
Cada vez mais interessante, Lunna!
Estou impaciente que continue :)
Abraço!

Ingrid said...

encontros... descobertas..
e a imaginação a nos brindar..
vamos na sequencia ver o que sucede.
bacio bella.

B. said...

Instigante, haha. Seu texto nos deixa curiosos e há um tom de descoberta, ao mesmo tempo que os personagens se descobrem.
E o mais interessante, é que encontros casuais como esses podem sim, acontecer na vida real. E são assim que nascem lindas histórias de amor/afeto.

Post a Comment

Publicações populares