Powered by Blogger.
RSS

Memórias de Natal


Costumava ir com a minha mãe cortar um pinheirinho para o Natal, e depois apanhar musgo para fazer o presépio. Inevitavelmente voltava destas aventuras com a roupa um pouco molhada e com as mãos impregnadas de terra e resina. Mas com o meu sorriso de criança bem aberto.
Seguia-se a colocação da árvore no sítio mais bem escolhido. As luzes, as fitas de Natal com muitas cores, bolas e sinos brilhantes, uma estrela de papelão colorido.
Depois, espalhava o musgo pelo chão, juntava os pedaços num puzzle perfeito. Precisava de um manto verde extenso, o espaço parecia ser sempre curto para colocar todos os participantes do presépio. A cabana onde colocava o berço, com uma estrutura improvisada cada ano, e coberta com os pedaços de musgo mais bonito. Aos Reis Magos, juntavam-se o pastor, com as suas ovelhas brancas, o pescador ao lado de uma ponte... e se existia uma ponte, era preciso retirar um pedaço de musgo para transformar um simples plástico azul ou um velho espelho num rio. Ao fundo, o castelo, que estava num monte, também ele construído com o que existia à mão, e coberto por musgo, mantendo o efeito. A ligar estas personagens, umas mais improváveis que outras, um caminho de neve, inventado com produtos da despensa lá de casa.
As prendas aconchegavam-se ao lado da árvore. Sentia uma imensa curiosidade infantil que me levava a pegar nas prendas, sentir o formato, abaná-las. Tentava perceber o que se escondia dentro do papel de fantasia, mas nunca abria as prendas antes do tempo. Gostava da antecipação, deste pequeno jogo de adivinhação.
Lembro-me bem deste pequeno combate que travava com a minha curiosidade, com a vontade de descobrir o mistério. E do cheiro a terra molhada, não o cheiro a terra molhada do verão, a terra molhada que vinha agarrado ao musgo e o cheiro a pinhal que ficava na minha sala. Tudo isso dava mais brilho ao conjunto.
Lembro-me do aroma dos fritos de abóbora, a minha missão em criança era a de adoçá-los com canela e açúcar, que misturava meticulosamente, procurando a dose certa de cada um. E lembro-me do cheiro do café,  que ainda não podia provar. Anos depois, apenas gostava daquele café com os doces de Natal.
São estas recordações que ainda me fazem gostar tanto do Natal, ainda que já use menos fitas e que o meu presépio seja agora mais pequeno. Mas só os acessórios de Natal diminuíram. Continuo a enfeitar o cantinho da minha sala - agora no meu apartamento da cidade - com o mesmo sorriso de antes, com a mesma ansiedade para ligar as luzes e vê-las a piscar, a mostrar que o Natal vem aí. Continuo a misturar a canela com o açúcar...
É talvez a lembrança da Felicidade pura de quando somos crianças. Mas também a Felicidade que ainda consigo ver nos adultos nesta altura.
É uma altura em que as pessoas são mais solidárias, mais disponíveis para estar um pouco com os outros. Dizem alguns que nesta altura todos fazem num mês o que deviam fazer durante todo o ano, e que é uma época de consumismo. Sim, isso também é verdade, mas ainda vejo o espírito verdadeiro de Natal em algumas pessoas. Ainda existem pessoas que sabem que um abraço, um sorriso, uma mão, um ombro, uma palavra simpática, valem infinitamente mais que um presente embrulhado. E é isso que faz o Natal e é por isso que gosto genuinamente desta altura do ano.
E em cada noite de Natal, mesmo agora já crescida, consigo por um momento lembrar-me daquela criança loira, sentada no chão, a olhar para as luzes de Natal a piscar, simplesmente e apenas feliz.
Deixo aqui o meu simples desejo de Natal: que nos lembremos de como uma pequena luzinha nos pode fazer felizes, nem que seja apenas por uma noite.

Isa Lisboa



Foto: Isa Lisboa

Desejo a todos os colegas do Tubo de Ensaio e a todos os nossos leitores um Feliz Natal e um Ano Novo cheio de criatividade e sonhos realizados!
(Regressarei em Janeiro! :) )

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

8 comments:

ricardo alves / são paulo,brasil said...

não há como negar...o natal nos carrega de bons estímulos!
a vc tudo o que é merecido blogueira!

Dulce Morais said...

Susete,
Sei o quanto gostas do Natal desde a primeira vez que nos encontrámos e senti o teu entusiasmo por esta época. São bonitas lembranças que nos ofereces e há magia em cada momento que partilhas.
Há consumismo, pois sim, mas há em alguns, como há em ti, aquele brilho no olhar que diz o verdadeiro sentido desta celebração.

Feliz Natal para ti e um grande abraço!

Dulce

PS: Já estamos impacientes de te reencontrar aqui em Janeiro!
Beijinho!

Isa Lisboa said...

Ricardo, muito obrigada! Tudo de bom para você também! Um abraço

Isa Lisboa said...

Dulce, é verdade, adoro mesmo o Natal e ter amigas como tu apenas faz momentos como este mais especiais! :) Beijinhos

manuel marques Arroz said...

Afinal o Natal ainda acontece.Gostei muito do texto e também viajei no tempo.Obrigado.
Bom Natal e um bom ano novo.


Beijo.

Isa Lisboa said...

Acho que para mim, o Natal acontecerá sempre! :) Obrigada, Manuel, Bom Natal!

Beijo

mochiaro said...

Isa
Que desde aqui através do Cristo Redentor chegue até você a energia, luz e proteção neste Natal e um ano Novo repleto de inspirações e textos que de ti germina e nasce.
um beijo

Isa Lisboa said...

Muito obrigada, Mochiaro! :) Bom Natal!

Post a Comment

Publicações populares