Powered by Blogger.
RSS

ABANDONO PERMITIDO Por Danka Maia





Deixe minha vida como uma casa na beira da estrada,
Com as mazelas da raça humana que por aqui passam.
Deixe-me aqui,
Com homens bons e maus,
Mas todos como eu,
Sem grandes atitudes,
Inertes a mãos,
Imóveis como este imóvel.
Todos em busca de algo que algum momento se perdeu.

Sim,eu sou a casa abandonada a beira da estrada,
Falta da presença de espírito,
Omissão do comparecimento do amor a si,
Me ensinaram o amor a ti,
Excluíram a missão do amor a mim.
Vejo pessoas marchando para o sul nesse caminho,
Elas vão,
Elas vem,
Um dia verão também o que vi,
E virão,
E ai se tornaram como eu,
E muitos de mim,
Serão uma vila,
Que será cidade,
Que será, que será, que será...
Que será?


  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

7 comments:

Isa Lisboa said...

Que lindo, Danka! "eu sou a casa abandonada a beira da estrada" - esse versco ficará ressoando aqui na minha mente! Adorei!
Beijinhos

Cássia Torres said...

Amei Danka!

Parabéns! Fez-me pensar nesta vasta imensidão deste universo que mantemo-nos.

Beijos!

B. said...

Gostei da analogia. Texto muito intenso e forte.

Danka Maia said...

Obrigada pelas palavras meninas,foi um momento de desabafo poético.beijocas!

Elena said...

Lindo!! desabafo poético!!!

helena de paula said...

Que lindo Parabéns. bjos

Danka Maia said...

Obrigada amadas! Beijocas1

Post a Comment

Publicações populares