Powered by Blogger.
RSS

Atirando cadeiras na lua


De ponto em ponto a consciência, pesa na impossibilidade da memória, vagando entre os rostos enquadrados na imagem fotografada, o esquecimento transgênico amarela a lembrança. O que se guarda explana o dom de quem insiste em colecionar, rostos, lugares, móveis e objetos de onde brota também a imaginação. 

***

As cores divergentes vigoram divagando ensaios eruditos, forjando na semente da alma um beijo, flor, e sujeito, fixa uma pétala que desperta intimamente a mudança sofisticada privilegiando a beleza projetada pela rua, se essa rua fosse minha, eu mandava, eu mandava ladrilhar;

***

Todos temos nossa manias, pouco importa se seja megalomania, sendo do bem, querendo o bem querer acontecendo na alegria de outrem, que ainda são tantos pedaços, fagulhas, grãos, folhas, linhas, açúcar e sossego para o mundo. Eu, que ainda sou lembrado, tiro a memória para dançar, em segredo, com caráter iconoclasta romântico e didático retardando o esquecimento. Atirando cadeiras na lua por traquinagem, cinismo de quem salta com entusiasmo; simplicidade quando se brinca amarelinha - primeiro segue uma pedrinha que tenciona o impulso, do corpo firmando os passos, de modo que o mundo se equilibre no tempo da brincadeira fácil de compreender a natureza do sorriso bobo amanhecendo no sol resfriado. 


Por Claudio Castoriadis
Imagem: eu

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

2 comments:

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Um poema que nos permite vê-lo por meio de múltiplos sentidos. Gostei muito.
bjs.

"O que se guarda explana o dom de quem insiste em colecionar, rostos, lugares, móveis e objetos de onde brota também a imaginação. "

Isa Lisboa said...

"de modo que o mundo se equilibre no tempo da brincadeira fácil de compreender a natureza do sorriso bobo amanhecendo no sol resfriado." - Sim, definitivamente! :)
Beijocas!

Post a Comment

Publicações populares