Powered by Blogger.
RSS

“o homem da casa”

Conto. Primeira parte.

lovers

 

Luiz Gustavo era um desses homens bem casados que costuma causar inveja nos amigos do trabalho que sabem de sua casa cheirando a lavanda, com tapete formoso na porta de entrada dando boas vindas a quem chega… Sabem também os amigos de sua bela senhora, toda perfumada – figura formosa – corpo violão e cintura fina que todos os dias o acompanha até o portão. Ali lhe beija a boca com tanto gosto que quem vê de perto diz sentir o gosto dos lábios da rapariga na própria boca. Lá no portão, Maria permanece até não ver mais o amado Luiz Gustavo que segue satisfeito pra sua vida de homem de família – rumo ao trabalho...

Maria era moça bonita-prendada-caseira – todos sabiam disso na cidade – moça cheia de dedos com as coisas do marido. Teve dúzias de candidatos – mas a moça escolheu Luiz Gustavo – para o desgosto de meia dúzia… Diziam na vizinhança que ela era mulher de balde e vassoura – e a danada deixava a casa toda brilhando – do outro lado da rua se podia sentir o perfume...

No final da tarde, a moça perfeita se arrumava toda para esperar o marido no portão. Quem passava na Rua das Flores, número cinquenta e sete invejava o bom moço. Maria sentia ciúmes. Estava sempre atenta aos olhos das damas da rua que cresciam para cima de Luiz Gustavo que tinha seu charme-simpatia e, como era do conhecimento de todos, até conhecer Maria beliscava muitas damas da cidade…

Luiz Gustavo era pontual. Chegava sempre a mesma hora – pouco depois das seis. Ganhava seu beijo adocicado e em seguida entregava a Maria a pasta e o casaco. Na cozinha tomava seu cafezinho preto. No banheiro tomava seu banho demorado. Toalha limpa a esperar por ele. Roupa cheirando a lavada –, e na mesa, seus pratos favoritos. O cheiro daquela comida caseira feita exclusivamente pra ele ía longe…

Maria lhe servia todas as noites: duas colheres de arroz. Uma concha de feijão. Um bife mal passado e batatas assadas. Enquanto comia ouvia a esposa lhe contar as novidades da vizinhança que lhe chegavam nos intervalos da novela… Ele ouvia tudo atentamente com sorrisos amáveis e olhares salientes.

Enquanto escovava os dentes – Maria arrumava a cozinha – todos os dias a mesma rotina. Maria acabava dormindo no sofá com a cabeça no colo de Luiz Gustavo. Ele sorria feliz e satisfeito – sentia-se abençoado enquanto fazia afagos na cabeça da esposa. Luiz Gustavo é homem gentil-carinho que pega a mulher nos braços e leva para a cama onde lhe perturba com beijos agridoces provocando a libido de sua senhora que animada vai se aninhar na pele do amado…

Para comemorar os sete anos de felicidade, Luiz Gustavo que é homem romântico – comprou flores, bombons e uma bela jóia para agradar Maria – fingiu ao sentar-se na mesa do café da manhã esquecer-se da data – tudo de propósito. Ela se aborreceu. Cruzou os braços a frente do corpo. Recusou o beijo adocicado do marido que o roubou assim mesmo – saindo todo faceiro e satisfeito –, estava tão certo de seus passos que nem sem importou de sua prenda não lhe acompanhar até o portão naquela manhã...

Ela reclamava junto ao fogão “como ele pode se esquecer de nossa data de união. Sete anos. Ah, ele deve ter outra”…

 

 

>> continua…

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

10 comments:

Helena Zafira said...

Odeio quando você faz isso. Publicar uma história em partes. Não é legal. Fico esperando pelo próximo capítulo. Mas aposto como ela vai chifrar o coitado do Luiz Gustavo porque ela parece ter ficado muito zangada e vai querer se vingar do esquecimenot. hehehehe

Beijão dona Lunna

Marco Antônio said...

Esperando pelo próximo capítulo mas já me diverti com a cena da moça de cama e mesa. rs

Isa Lisboa said...

Suspeito que a brincadeira dele vai sair cara! :) Esperando o próximo capítulo!!
Bacio

Blog do Óbvio - Manoel said...

Lunna, tomara que continue tudo certinho até o final da estória. Todos os escritores gostam de modificar completamente as condutas e sempre tem alguém exemplar que passa para a turma do "não presta". Vamos ver se você consegue deixar isso terminar bonitinho. É um desafio que eu faço. Terminar bonitinho sem ficar sem "tempero". Tá bom, amiga Lunna?!
bacio
Manô

Lunna Guedes said...

Cara Helena, serão apenas seis capítulos.
Relaxe. Bacio

Lunna Guedes said...

Amore mio, tinha certeza de que iria se divertir com a moça. rs
Bacio

Lunna Guedes said...

Será Isa? Eu temo que sim... rs
Bacio

Lunna Guedes said...

Manoel, meu caro, fiquei intrigada com o seu desafio, mas como o texto já está escrito terei que aguardar pelos próximos capítulos para ver se tu irás se agradar ou não com as linhas do conto. Bacio

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Luna Guedes gostei do tom a se insinuar, estava tudo Amélia demais.
Sugestão não demore muito a publicar os capítulos.
Abraços

Dulce Morais said...

Luna,
Não há perfeição em ninguém nem em nada se não no olhar de quem vê... e a dúvida... essa maldita que vem atordoar os corações...
Gostei muito desta primeira parte que deixa esperar maravilhas nas próximas!
Beijinhos!

Post a Comment

Publicações populares