Powered by Blogger.
RSS

CRIATIVIDADE

CRIATIVIDADE
(Por Maristela Ormond)

curiosidadesnanet.com


               



                Criança pobre tem muita imaginação, pouco dinheiro, nenhum brinquedo a não ser aqueles que ela mesma fabrica e complementa com sua imaginação fértil.
               Criança pobre sempre tem muitos irmãos e esses acabam sendo seu brinquedo predileto, seus parceiros nas infinitas artes de inventar, construir, trocar e é claro, brincar. Quando não arruma também uns bichinhos (coitadinhos!), como gafanhotos puxando carrocinhas de caixa de fósforos. Cigarras, que amarradas ao pescoço voam até onde se deixar.
 Vagalumes que dentro de um vidro fazem sucesso como lanterninhas para brincar de noite.
               Martinha, menina esperta, bonita e de muita inteligência, sempre inventava seus brinquedos e gostava demais de jogos, mas seus pais não tinham como comprá-los, mas é claro que Martinha dava um jeito. Sempre que via algum jogo interessante e não tinha dinheiro, corria até uma loja que ficava perto de sua casa e lá pedia para ver o tal jogo. Espiava, via o preço, contava as peças, e ia fotografando em sua mente aquilo que via para que depois pudesse reproduzir em casa, principalmente se fosse feito em papel, porque papel sempre se arruma em casa de pobre. E lá ia ela feliz da vida para casa porque o seu Joaquim havia deixado que olhasse o brinquedo e ele já estava em sua cabecinha.
               Chegava a casa, arrumava restos de cartolina e o jogo estava feito. Normalmente não deixava mais ninguém em paz, porque a partir de sua obra concluída todos tinham que jogar.
               Explicava as regras e punha todos a brincar, querendo ou não querendo. Ai de quem lhe dissesse um não. Este estaria fadado as suas perseguições constantes, quando não tomava uns croques bem dados e acabava se rendendo e tendo que ser companheiro de jogo...
               Certa noite, sem sono, resolveu que deveria jogar até que o sono chegasse. Como a casa era pequena para acomodar tantas crianças, havia no pequeno quarto, quatro beliches em que dormiam dois irmãos em cada uma. Um dormia nos pés e outro na cabeceira da cama.
               Martinha acordou os irmãos e pediu para que fossem jogar com ela, mas como todos dormiam ninguém queria. O sono era mais forte. Mas ela não desistia, dava um “chutinho” daqui, uma “pisadinha” dali, e ia infernizando a turma para acompanha-la e, na negativa, ameaçava que no dia seguinte iriam se ver com ela. Era aterrorizante saber que no dia seguinte o que os esperava era uma boa briga.
               Conclusão: madrugada e todos jogando como se a animação fosse o mais importante naquele momento de descanso.
               Consequências do jogo: Quando o pai acordava com o barulho, era uma tamanha correria para o quarto, pois mais forte que Martinha era o pai que muitas vezes resolvia a situação naquela mesma hora...  Então só restava correrem todos ao mesmo tempo e dormir ou ao menos fingir que dormiam para que a coisa não ficasse mais feia.



  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

4 comments:

Dulce Morais said...

Maravilhosa inocência a de uma criança.
Quando não se tem, inventa-se. Quando não se pode, faz-se tudo para tomar outro caminho.
É uma doce e encantada história que nos conta, Maristela!
Gostei deste momento de magia linda :)

Maristela Ormond said...

Obrigada Dulce! Bom dia querida!!!

Claudiane Ferreira de Souza da Silva said...

Maristela,creio que os artistas em geral de uma forma ou de outra cultivam sua criança interior .

Uma bela crônica e fiquei aqui refletindo... se não seria a criança pobre a que mais valoriza o ato de brincar?

Parabéns. Beijos!

Gilberto de Almeida said...

Maristela, que delícia de conto! Viajei com a Martinha! Parabéns, minha amiga. Obrigado pela deliciosa história de uma criança obstinada em ser feliz, não importando as condições que a vida lhe dá! :D

Post a Comment

Publicações populares