Powered by Blogger.
RSS

Eu, Alberto e a árvore de natal


De uns tempos para cá, eu e o Alberto andamos nos falando menos.
A amizade persiste, é claro, mas nossos assuntos parecem diferentes,
nossas crenças parecem mais distantes...

Na manhã de hoje, no entanto, quando dirigia por certa floresta de pinheirais, lembrei-me do Alberto.

Saquei-o do porta-luvas, desculpei-me pela longa ausência e perguntei-lhe, só para iniciar uma conversação, inspirado pela paisagem ao derredor:

- Alberto, você já providenciou uma árvore de natal?

O Alberto, como se houvéssemos nos falado ontem mesmo - e como é da sua natureza, diga-se de passagem - sem mais delongas, principiou a explicar-me, no seu jeito característico de falar:

"Há uma árvore no sopé do outeiro
no quintal da minha casa.
Mas não fui eu quem a plantou.

Então ela não é minha,
é da natureza.

Mas eu não preciso que seja minha,
porque não preciso de nada
que não tenha em mim mesmo.

Mas que aquela árvore,
lá no sopé do outeiro,
no quintal da minha casa,
é de natal, eu sei que é, sim.

Porque toda árvore neste mundo,
toda árvore plantada no chão
e que vive da seiva da Terra
é de Deus, nosso pai,
e é de Nosso Senhor, Jesus Cristo."

Aí, enquanto dirigia, olhos fixos na estrada, mas com atenção no silêncio significativo a que se entregara o amigo a meu lado,  pensei que deveria voltar a conversar mais frequentemente com o Alberto, porque, afinal de contas, em meio a nossas concordâncias e diferenças, sempre havia um quê de poesia a escapar de nossas palestras, e isso, no fundo, é o que, para mim, sempre valeu a pena.

Gilberto de Almeida
11/11/2016

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

0 comments:

Post a Comment

Publicações populares